18 de out de 2012

Eletropoeteria e Entrechos


A quinta atividade da FestiPoa revisitada ocorrerá no dia 18, quinta-feira, às 19h, na Palavraria, e contará com a participação dos escritores Guto Leite e Lucas Reis Gonçalves e do músico Dado Vargas. Os convidados lerão poemas seus e de Carlos Drummond de Andrade.

FestiPoa revisitada e sampleada
Leituras: "Entrechos", com Guto Leite, e "Eletropoeteria", com Lucas Reis e Dado Vargas, apresentando poemas de Carlos Drummond de Andrade.
Dia 18 de outubro, quarta-feira, 19h
Palavraria: rua Vasco da Gama, 165, tel. 3268-4260



Guto Leite. Poeta, músico, compositor, professor. Poeta dos livros "zero um" (2010), "Poemas Lançados Fora" (7Letras, 2007), "Sintaxe da Última Hora" (Scortecci, 2006) e "Reflexos" (FEME, 2000), além de premiado em concursos literários e presente em diversas coletâneas de poesia. Indicado ao Prêmio Açorianos (Categoria Poesia) no ano de 2010. Co-roteirista dos filmes de curta-metragem "Estado Senil" (2009), "Revés" (2008) e "Bons sonhos, Maria"(2006). Argumentista da personagem Júlio César, publicado em setembro de 2010 pela revista independente "Eixada" e em julho de 2011 na coletânea "O melhor da festa, volume 3". Linguista pela Unicamp, especialista, mestre e doutorando em Literatura Brasileira pela UFRGS. Atualmente trabalha como professor temporário de Literatura Brasileira na UFRGS. www.gutoleite.com.br. Guto lança ainda em 2012 o livro "Entrechos": O livro de Guto Leite tem um tanto de desaforado, matreiro e terno, não necessariamente nesta ordem. No conjunto do texto, é possível discernir uma progressão narrativa que oscila entre, de um lado, fábulas e paráfrases, e, de outro, dado prosaico associado à memória ficcional. Uma prosa enigmática repassada de ritmo e procedimentos poéticos, o que não deixa de ser um desafio ao leitor. (Homero Vizeu de Araújo, trecho do prefácio do livro "Entrechos")

Lucas Reis Gonçalves é poeta e articulador cultural. Novamburguense frequentador da capital gaúcha, formou-se em eletrônica e com ela trabalhou por mais de um ano - até descobrir, por inteiro, a literatura. Depois de três anos esboçando versos, publicou seu primeiro livro, Se soubesse o que dizer, diria em prosa (Paco Editorial, 2011), finalista do prêmio da Ages.  e, através dele, criou, juntamente com o músico Dado Vargas, um novo projeto de declamação poética: Eletropoeteria. Lucas atualmente estuda Letras na UFRGS escreve para sites de literatura (públicos e independentes).

Dado Vargas é músico e compositor, natural de Palmeira das Missões - RS. Em 2005, com 16 anos, começou a se apresentar na região noroeste do estado, fazendo shows em bares e casas noturnas. Hoje, morador da capital gaúcha, estuda Letras na UFRGS e possui, juntamente com o colega e amigo Lucas Reis Gonçalves, o projeto de declamação poética Eletropoeteria.

Eletropoeteria
Eletropoeteria é o mais novo projeto de declamação poética das redondezas da capital gaúcha. Com seu estilo eletrônico lembrado pela guitarra, é capaz de produzir uma nova voz à comunidade poética da região. Construindo e executando o projeto, estão o músico e compositor Dado Vargas e o poeta Lucas Reis Gonçalves. Juntos eles buscam inovar a representação poética e, com isso, trazer a poesia pra dentro da rotina das pessoas. Ousados, transformam a poesia num produto diferente. Produto esse que dá um tapa na cara dos velhos recitais e os convida pra dançar uma nova e divertida dança.
Pra nos fazer justiça, aqui vai nosso po-lema:

a poesia pro poeta é uma bolha
a flutuar sobre a realidade.
e ele, tolo que é,
detém-se a assoprá-la
pra cada vez mais alto.


mas atente-se, poeta:
a bolha - que tola não é -
tá pronta pra estourar.


"Vi ao vivo o barulho que a rapaziada faz com poesia e música, e vou te contar: é bom o negócio. Vale a pena conhecer. A guitarra tem talento; o dizedor de poemas também; e os dois juntos fazem acontecer uma dinâmica meio inesperada, que ilumina os dois lados da equação artística implicada ali. Inteligência ao vivo."
Luís Augusto Fischer, escritor, cronista, ensaísta e professor

"O Eletropoeteria está distante das recitações de poesia do tipo rasgação-de-peito, que não correspondem mais ao gosto do público. Poemas ditos com tranquilidade e ímpeto, acompanhados por um fraseado de guitarra e, conforme o caso, da projeção do texto em telão, criam empatia e conquistam. Drummond, Augusto dos Anjos, autores atuais e poemas próprios convivem numa boa. A dupla, além de tudo, entende de literatura e música, sabe o que está fazendo. Alguém quer mais? Basta ir ao próximo evento."
Sidnei Schneider, poeta, contista e tradutor